Segundo um estudo realizado pela Ebit/Nielsen em parceria com a Elo, o faturamento com e-commerce cresceu em média 47% durante a pandemia, número nunca antes visto em anos anteriores totalizando mais de 38,8 bilhões de reais girando em torno desse segmento do mercado. E o que isso tem a ver com o setor do transporte? Vamos te explicar nesse artigo!

 

E-COMMERCE PASSA A EXIGIR MAIS LOGÍSTICA

Desde de 2014 o segmento de e-commerce cresce exponencialmente, cada ano mais forte, o que começou a exigir uma participação ativa das transportadoras e distribuidoras ao redor do país, uma vez que as demandas aumentaram. Isso fez do setor um dos “ovos de ouro” da logística, tornando uma das formas de aumentar o faturamento variando os produtos e entregas. 

Entretanto, essa modalidade de transporte tinha seus pontos positivos e negativos que poderiam ser balanceados para as transportadoras que decidiam se aprofundar nisso:

 

PONTOS POSITIVOS

PONTOS NEGATIVOS

Demanda crescente Produtos sensíveis 
Diversificação de produtos Diferenciação de valor
Maior impacto no faturamento Logística Reversa Assertiva
Velocidade da Oferta e Demanda Extravios e Violação

 

Esses fatores ainda eram algo que podia complicar a entrada da maioria das empresas nesse ramo de cargas, o que ainda não fazia os olhos de muitos brilharem quando pensavam em fazer entregas de e-commerce. Entretanto, esse cenário mudou drasticamente quando o coronavírus chegou!

 

E-COMMERCE SE TORNA A SALVAÇÃO DA LOGÍSTICA NA PANDEMIA

A pandemia modificou a forma com a qual as pessoas compravam e, principalmente, a sua realidade. Isso fez com que os muitos hábitos e situações fossem transformadas em compras de e-commerce, aumentando em mais o número de pedidos que chegou a mais de 90 milhões entre janeiro e junho de 2020. Segundo as pesquisas feitas pela Ebit/Nielsen em parceria com a Elo, cerca de 7,3 milhões de brasileiros realizaram a sua primeira compra online durante a pandemia, contando apenas o primeiro semestre do ano.

Os donos de transportadoras falaram em geral, para uma matéria da ABOL (Associação Brasileira de Operadores Logísticos) como o e-commerce começou a sustentar as transportadoras  e o setor logístico durante o covid-19 passando a ser identificado como um dos pilares para o faturamento de empresas ao redor do país. Cesar Meireles, presidente da ABOL, fez questão de ressaltar que “houve um crescimento disruptivo do comércio eletrônico”. 

Graças a isso, além de outros fatores que mencionamos no nosso post sobre o transporte durante a pandemia, o setor do transporte vem se reestruturando, adequando e se recuperando dos impactos negativos do começo do ano quando o coronavírus chegou avassalador.  

 

OS AVANÇOS DIGITAIS DAS TRANSPORTADORAS

E não para por aí! Com todos esses fatores, não somente as demandas aumentaram no meio digital, como as transportadoras passaram a entender ainda mais a importância da digitalização e da tecnologia para os avanços e sobrevivência a partir de agora no setor logístico. As empresas precisaram revisar seus métodos de trabalho e como gerar a conexão necessária com seus clientes. 

Muitas começaram a implementar sistemas entrando a fundo na logística 4.0 e tornando seus processos 75% mais ágeis. Seja por meio de aplicativos como Azapfy ou outros sistemas, todos começaram a fazer total diferença, uma vez que muitos colaboradores tiveram que trabalhar de suas residências acompanhando as entregas em tempo real ou até mesmo levantando as informações necessárias para passar as embarcadoras. 

E a gente pode te ajudar nisso! Fale com um dos nossos azapers consultores aqui para saber mais sobre o aplicativo de gestão de entregas mais completo e amigável que irá melhorar a forma com a qual a sua transportadora entrega hoje te ajudando a fechar novos contratos, reter seus clientes atuais e muito mais! 

Um forte abraço do Time Azapfy!

Autor

Comentar